2022-03-02

A ampla visão de Amia Srinivasan vem renovar o feminismo no Século XXI.

Arguto e profundamente humano, O Direito ao Sexo renova a maneira como discutimos – ou evitamos discutir – os problemas e a política do sexo.

Partilhar:

Um dos livros mais impactantes desta geração chega-nos pelas mãos de Amia Srinivasan. O Direito ao Sexo – Feminismo no Século XXI discute de forma ousada os problemas e a política do sexo, sem medos nem tabus. Com uma exemplar seriedade intelectual, a autora reflete sobre as relações entre alunos e professores, a legalização da prostituição, os celibatários involuntários e o movimento #MeToo. Com uma ampla visão de como devemos falar sobre sexo, Amia Srinivasan mantém um discurso intelectualmente desafiante que se demarca de sensacionalismos facilmente associados a estes temas.

 

No dia 3 de março chega finalmente a Portugal este arrebatador livro de Amia Srinivasan – O Direito ao Sexo – Feminismo no Século XXI que já se encontra disponível em pré-venda. Alvo de críticas absolutamente extraordinárias, Srinivasan debate um conjunto de relacionamentos problemáticos entre discriminação e favoritismo, pornografia e liberdade, violação e injustiça racial, punição e responsabilização, prazer e poder, capitalismo e libertação. Apresentando uma ampla visão do que será o futuro do sexo no século XXI, onde a própria definição de consentimento é desconstruída, Amia Srinivasan mostra que não é apenas uma questão de sim ou não, de querer ou não querer – um conceito que, à primeira vista, pode parecer básico mas que tem profundas ambivalências.

 

O Direito ao Sexo – Feminismo no Século XXI é uma provocação e uma promessa, renovando muitos dos nossos debates políticos mais urgentes e levando a que nos interroguemos sobre o que significa sermos livres.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK