2021-06-09

«Essa Palavra Liberdade…», do historiador Luís Reis Torgal, descortina a história e a complexidade do Liberalismo em Portugal

Um livro que assinala as comemorações do Bicentenário da Revolução de 1820. Dia 24 de junho nas livrarias.

Partilhar:

No âmbito das comemorações do Bicentenário da Revolução de 1820, a Temas e Debates tem o prazer de publicar o livro Essa Palavra Liberdade..., do historiador Luís Reis Torgal. A revolução do Porto de 1820, e a Constituição de 1822 dela nascida, abriram caminho de modo inexorável para o Estado de Direito, e esse facto projetou-se na História política portuguesa até aos nossos dias. Urge, portanto, relembrar, analisar e divulgar os acontecimentos que permitiram a Portugal substituir um rei absoluto por um sistema capaz de representar os cidadãos. A historiografia apresentada neste livro pelo Professor Luís Reis Torgal procura descortinar a complexidade dos fenómenos e as suas repercussões duráveis, de modo a que o leitor consiga perceber o longo caminho de afirmação do constitucionalismo e do liberalismo, até aos dias de hoje. Nas livrarias a 24 de junho.

 

«Na verdade, é a “liberdade” que está em questão nesta obra. É a liberdade que se opõe ao absolutismo, mas também quando, na polémica sobre a Instrução Pública, os liberais mais coerentes pretendem criar (sem o conseguir) um novo edifício, baseado na cidadania, para substituir o do hierarquizado “Antigo Regime”. (…) E é, enfim, também a liberdade, mas a liberdade económica – ideia utilizada por liberais, mas também por antiliberais – que se propõe em favor do desenvolvimento, mas também indiciadora da luta pelos interesses privados. “Liberdade” é, pois, uma palavra nobre, polissémica e ambígua. É nessa múltipla significação que o liberalismo, seu defensor contra a monarquia absoluta, a usa e dela abusa para fins privados. Essa palavra, “liberdade”, é, pois, o que analisei neste discurso histórico, sempre cheio de interrogações. Será um conceito sempre a rever, no período que abordamos e nos dias que correm.»

 

Apesar de ser um livro de História, esta obra é também uma análise do presente, pois para além de muitas das propostas feitas pelos vintistas ainda serem bastante atuais, hoje em dia vivemos menos numa social-democracia e mais numa democracia liberal, marcada pelo liberalismo económico e pelo neoliberalismo. Importa assim relembrar as origens do movimento em Portugal e como é que a Revolução de 1820 marcou, para sempre, a sociedade, a política e a economia portuguesa. «É que o liberalismo, mesmo no seu início, não significa, como perceberam alguns liberais, apenas liberalismo político e este mesmo deveria ser equilibrado com conceitos de igualdade e fraternidade.»

 

As comemorações do Bicentenário da Revolução de 1820 foram adiadas para outubro deste ano. Luís Reis Torgal faz parte da Comissão Científica organizadora do Congresso Comemorativo.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK