2021-04-09

Um livro para desmontar estereótipos sobre os impérios ibéricos e a primeira fase da globalização

«Os impérios espanhol e português foram demasiadas vezes considerados aberrações, com base não na sua análise, mas nos seus estereótipos.»

Partilhar:

A 15 de abril a Temas e Debates publica Os Impérios Ibéricos e a Globalização da Europa (séculos XV a XVII), do historiador espanhol Bartolomé Yun Casalilla, um livro que pretende (re)construir a história dos impérios Espanhol e Português, desmontando preconceitos criados. Uma análise inovadora do que representou para os povos da Península Ibérica o facto de Espanha e Portugal terem criado o primeiro império global da Europa. A história de Espanha e Portugal está repleta de estereótipos, utilizados tanto para alimentar o triunfalismo como um pessimismo paralisante. Mas apenas os povos que conhecem os contrastes da sua história podem compreender o passado para construírem o seu futuro.

 

«Este livro pretende entender como os impérios impulsionaram a globalização anterior à que iria ser acelerada pelo capitalismo industrial desde o século XIX e como esta os afetou, ao mesmo tempo que se preocupa com os modos como esse protagonismo influenciou a história da Europa. Quando até há não muito tempo olhávamos para a história como um processo de modernização no tempo, os países ibéricos apareciam como os que foram deixados para trás nas profundas transformações que iriam produzir-se a partir de finais do século XVIII e que pareciam ter sido protagonizadas sobretudo pelos países do Norte da Europa. Mas se o problema que agora devemos estudar é como a Europa foi um agente importante de globalização (veremos que não foi o único), é mais do que evidente que, para o bem e para o mal, o protagonismo dos povos ibéricos é inegável.»

 

Baseado em anos de pesquisa, o livro de Bartolomé Yun Casalilla requalifica, ou até nega, a suposta excecionalidade da história de Espanha e Portugal. Adotando uma perspetiva comparativa, e com base em factos empíricos, o autor descreve como as realidades da sociedade, da economia e da política das monarquias dos dois países ibéricos não divergiram assim tanto daquelas que, nos mesmos períodos, existiam em França, Inglaterra ou no resto da Europa. A mesma abordagem é usada para a dimensão imperial: os impérios espanhol e português, fundidos desde Filipe II (Filipe I de Portugal), não apresentavam problemas muito diferentes dos que afligiam outros análogos, fossem eles o otomano ou o russo, por exemplo. Partindo desta premissa, Yun Casalilla reconstrói a história dos dois impérios ibéricos, desmontando os estereótipos que os levaram a qualificá-los de aberrações e realçando o modo como Portugal e Espanha edificaram os primeiros impérios de dimensão global e foram pioneiros na criação das bases políticas, económicas e militares da globalização. Um importante exercício de história comparada para melhor compreender não só o nosso passado, mas também para compreender a inserção geoestratégica de Portugal e Espanha no presente e no futuro.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK